Site: www.guiadasemana.com.br

Entre agosto/2008 e outubro/2008 trabalhei como redator responsável pelo canal shows SP do site de entretenimento Guia da Semana.

Abaixo, seleção de matérias deste período.

1 – Vida longa ao astro   

 

Imitado por alguns, criticado por outros e idolatrado por muitos. Michael Jackson chega aos 50 anos

 

Por Caio Bruno (29/08/2008)

Milhões de discos vendidos, 44 anos de carreira, uma fortuna invejável e o título exclusivo de Rei do Pop. Nesta sexta, um dos maiores nomes da música mundial completa 50 anos. Por tudo isso, Michael Jackson é um artista único e excêntrico.

Para comemorar a ilustre data, o Guia da Semana preparou uma matéria com as maiores curiosidades, os feitos e os motivos que levaram MJ a ser um artista inconfundível, para o bem ou para o mal.

750 milhões vendidos; Só Thriller, 110 mi

 

Quando se fala em Michael Jackson tudo é diferente e exagerado. Em 1982, Jackson deu o verdadeiro “pulo do gato” em sua carreira ao lançar Thriller. O álbum vendeu 110 milhões de cópias, sendo até hoje o disco mais vendido da história. O LP emplacou cinco músicas no topo das paradas britânicas e americanas e rendeu ao astro oito prêmios Billboard, um dos mais importantes da música, além de dois Grammy. Não bastasse deter o recorde do álbum mais vendido da história, Michael ainda é o artista que mais vendeu CDs em todos os tempos: 750 milhões de cópias. O mundo, a partir de Thriller, ganha um rei do pop.

 

O que aconteceu com o nariz? E a cor?

 

Quem tem seus 30 anos ou mais irá se lembrar de 1987. Quando Michael Jackson apareceu mais claro na capa de Bad e logo um boato surgiu: O astro negro queria mudar de cor e para isso estaria fazendo tratamento, e diziam, dormindo em bolhas de oxigênio para clarear.

Nada é certeza, mas a versão oficial da história é a de que ele sofre de Vitiligo em estágio avançadíssimo. Por isso, o cantor está cada vez mais esbranquiçado. Quanto ao nariz, é resultado de plástica. Muita plástica. Desde a primeira em 1978, calcula-se que o Rei do Pop tenha feito cerca de 10 intervenções nas narinas. O resultado? Basta compará-lo com suas fotos dos anos 70.

 

O porquê de sua excentricidade

 

Todo fã de Michael se pergunta: “Ele tem dinheiro, sucesso e parece não ser feliz. Por que ele só se mete em confusão e faz coisas estranhas?”.

Nunca foi dito nitidamente, nem por Jackson ou nenhum integrante de sua família, mas nas entrelinhas, se sabe que o cantor sofreu muito na infância. Com 6 anos, o pai já o obrigava a cantar e a ensaiar exaustivamente com seus irmãos no Jackson Five. Se não o fizesse, apanhava violentamente.

 

Michael não brincou, não aproveitou a infância, não teve adolescência e talvez aí esteja o xis da questão e a explicação para suas atitudes bizarras na vida adulta. Como comprar uma mansão e a chamar de Neverland (nome da cidade do Peterpan no desenho), fazer seus filhos usarem fantasias, máscaras, se casar escondido e ter, digamos, muita proximidade com crianças.

 

É o rei do pop

 

Michael Jackson não lança disco há 8 anos, não faz mais shows e só aparece na mídia ultimamente por suas bizarrices. Mas é só dar uma saída pelas baladas da cidade, ou acompanhar os últimos lançamentos musicais que veremos que o título de Rei do Pop continua sendo dele. Na noite, em baladas freqüentadas por pessoas que, quando ele estava no auge, mal eram nascidas, vira e mexe rola algum clássico do ídolo na pista e o pessoal vai ao delírio.

Artistas da black music e do pop como Rihanna e Justin Timberlake assumem inspiração e idolatria no astro. É por essas e outras, que o recém-cinquentão ainda é o Rei do Pop.

 

Discografia

  • Got To Be There (1971)

  • Ben (1972)

  • Music and Me (1973)

  • Forever, Michael (1975)

  • Off The Wall (1979)

  • One Day in your Life (1981)

  • Thriller (1982)

  • Farewell my Summer Love (1984)

  • Bad (1987)

  • Dangerous (1991)

  • Invincible (2001)

 

2 – Tá na agulha?

Depois de um período no ostracismo o velho LP volta com tudo

 

Por Caio Bruno (setembro/2008)

 

Quando surgiu na década de 50 nos EUA, o Long Play (LP) foi uma revolução tecnológica. Enfim, aposentamos os velhos, pesados e pouco práticos discos de 78 RPM. Ao invés de uma música por lado, poderíamos ouvir seis, sete, num total de 14 músicas por disco. Fora o som, que era bem melhor que dos antigos discos. Com isso acabaram-se os 78 rotações e sobraram uns poucos hoje em dia para contar história.

 

Depois de anos de um império absoluto no mundo da música, tendo como companhia apenas a inofensiva fita cassete, o LP se viu diante da mesma evolução tecnológica pela qual despachou o finado 78 RPM. No final da década de 1980, o mundo estava maravilhado com a tecnologia digital do Compact Disc (CD). Um pequeno disco, com um lado só e com qualidade de som muito melhor que a dos “bolachões”, afinal, não se utilizava agulha e nem qualquer meio mecânico. O puro e límpido som vinha de um leitor digital. Foi decretado o fim do vinil. Aparelhos deixaram de ser fabricados e quem ainda os tinha era taxado de obsoleto.

 

Mas ele não morreu

 

Passados quase 20 anos de sua “morte”, do reino do CD e de outras mídias digitais, o vinil continua mais vivo e cultuado que nunca. Jovens, adultos, DJS e ouvintes comuns, a cada dia que passa compram mais LPs e aparelhos. Até o início da década, os discos só eram comercializados em sebos especializados. Os álbuns usados são encontrados nestes locais por preços que variam desde R$ 1,00 a até R$ 1 mil. “A maioria dos compradores são colecionadores entre 35 e 60 anos, compram rock, MPB e bossa nova.”, diz Cleberson Aquino, do Sebo do Messias, que conta com um acervo de centenas de discos e é um dos maiores de São Paulo.

 

O culto ao vinil chega ao ponto de algumas pessoas pagarem quantias exorbitantes por um. É o caso do álbum Louco Por Você (1961), o primeiro e renegado LP do Rei Roberto Carlos. Como foram feitas poucas cópias e nunca se produziu reedições, os poucos exemplares do disco são disputados em leilões virtuais com o valor mínimo de R$ 3 mil.

 

Lembra das discotecas? Elas voltaram

 

Ao ler o subtítulo acima pode se pensar que estamos falando das Dischotéques, que eram as danceterias que tocavam Disco Music nos anos 70. Mas na mesma época e até antes, as lojas que vendiam discos eram conhecidas pela alcunha de discotecas. E mesmo que timidamente e elitizados, podemos ver alguns estabelecimentos que vendem LPs. Principalmente nas grandes cidades. É o caso da Livraria Cultura em São Paulo, que vende vinil desde 2006, e cada vez mais: “Até agora, já vendemos mais discos em 2008 do que em 2007 inteiro.”, diz Thaís Arruda, assessora de imprensa da livraria.

 

A loja trabalha atualmente com mais de 600 títulos de LPs vindos de mais de 80 selos americanos e europeus. Entre a lista dos mais vendidos, estão clássicos absolutos da música como Abbey Road (Beatles) e Dark Side Of The Moon (Pink Floyd) e também novidades como Back To Black (Amy Winehouse) e In Rainbows (Radiohead).

 

Vale lembrar que na Europa e nos Estados Unidos, o hábito de se ouvir em vinil nunca foi abolido, como no Brasil, por isso muitos artistas desses locais lançam até hoje álbuns em CD e também em LP.

 

E no Brasil…

 

Na terra do samba, do futebol e da pirataria desenfreada de CDs, alguns artistas também lançam seus álbuns em vinil. É o caso de Lenine. O recém-lançado álbum do cantor, Labiata, foi prensado com cópias em vinil.

 

Em entrevista para o Guia da Semana o músico argumentou sua escolha pelo formato: “O vinil é um pouco diferente, pois por ser descendente direto do universo analógico e ser sua mais completa tradução, foi o que melhor se produziu para reprodução de áudio. O contato da agulha no sulco é insubstituível, portanto, a meu ver, é o formato mais refinado e fiel ao som”.

 

Lenine acredita que, com o passar do tempo, o vinil retornará a seu status de antigamente. “O que era peça de museu vai ser o veículo dos colecionadores.” Afirma o músico.

 

Som na caixa e dinheiro no bolso

 

O vinil está aí, mas não popular como antes. Se você é fã do LP, gosta de sentir o chiado e adora ouvir o lado A e o lado B, saiba que um toca discos novo, completo, sai entre R$ 500,00 e R$ 1.500,00. Esse preço se deve ao fato dos aparelhos serem importados. Se você acha o preço do CD caro, irá se espantar com o valor dos novos álbuns, na faixa de R$ 80,00 a R$ 100,00, também devido à importação. Já que o Brasil não produz vinil desde o fechamento de sua única fábrica sobrevivente, a PolySom, no início do ano.

 

Portanto, o “bolachão” está de volta. Com nova roupagem, mais elitizado e badalado. Logo, voltaremos a ouvir uma gíria comum há algumas décadas, quando se colocava uma música pra se ouvir na vitrola: “Tá na agulha?”

© Caio Bruno -  Todos os Direitos Reservados 2020 - São Paulo - Brasil